Bab Sharki é uma plataforma de negócios compartilhados com outras pessoas refugiadas que vivem em São Paulo para viabilizar a venda de produtos e serviços, gerar visibilidade para seus empreendimentos e criar oportunidades para uma nova vida com dignidade. Sua idealizadora, Joanna Ibrahim, chegou no Brasil em 2015 vinda da Síria, de onde partiu por conta da guerra. No brasil, ela vive na condição de refugiada.

A mais nova iniciativa da Bab Sharki é o projeto Open Taste, onde pessoas refugiadas podem divulgar seus negócios, vender seus produtos e ao mesmo tempo, compartilhar sua cultura com os paulistas por meio da gastronomia. Toda semana, um refugiado é convidado para preparar e vender comidas típicas de seu país em um restaurante no bairro de Pinheiros, em São Paulo.

A Bab Sharki, que é financiada por uma aceleradora de start-ups com foco em impacto social, aluga o espaço do restaurante toda semana e ajuda os empreendedores refugiados com os custos de produção das refeições. Levando em consideração a situação de vulnerabilidade de muitos refugiados, Joanna acredita que é importante eles evitarem riscos financeiros ao iniciar um negócio. “E se eles comprarem o produto e sobrar? O que vai acontecer?” A Bab Sharki então se responsabiliza pelos custos do investimento inicial.

As iniciativas da Bab Sharki impactaram 105 pessoas em 2018, entre os refugiados e seus familiares. E a disposição é de crescer.

Com informações da ACNUR