A Câmara Distrital do Distrito federal anunciou Maria da Penha como candidata ao Nobel da Paz. A principal ativista que levou à criação da lei ficou presa a uma cadeira de rodas pelas agressões de um homem.

 

A luta desta mulher permite que hoje inúmeras mulheres agredidas possam recorrer à polícia e ao Judiciário, tendo mais facilidade no seu atendimento.

 

A última vez que o Brasil apresentou uma candidatura viável ao Nobel da Paz foi com a doutora Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança. A nova indicada, ganhe ou não, tem também um trabalho louvável.
 

 

Mais de cem personalidades nacionais e internacionais enviaram cartas apoiando a indicação.

 

 

 

Signis Brasil/ O Povo